Set of house keys on a key ring

Deixar um imóvel vazio pode ser um péssimo negócio para o proprietário. Isso porque, além de gastar com condomínio, IPTU, o dono não terá uma renda com a locação e ainda enfrentará o desgaste por falta de manutenção.

Diante disso, alugar a propriedade parece ser a saída ideal, mas alguns cuidados devem ser adotados para evitar possíveis dores de cabeça.

Imobiliária pode ajudar

Escolher uma imobiliária para intermediar a relação com o inquilino pode ser uma saída, já que uma empresa do ramo possui mais segurança jurídica e proporciona mais facilidade de comercialização.

A companhia também irá fazer uma avaliação do imóvel, para determinar o valor mais adequado de aluguel. “Neste momento, o proprietário deve expor as suas necessidades e intenções, para que a administradora possa assessorá-lo da melhor maneira possível”, afirma o gerente de locações da Auxiliadora Predial, Alexandre Arruda.

Algumas imobiliárias também oferecem um ressarcimento, caso o inquilino atrase o pagamento. “Dependendo do contrato, mesmo que o inquilino atrase três meses a conta, a imobiliária adianta o pagamento e faz o depósito no dia correto ao proprietário”, explica o gerente.

Valorização do imóvel

De acordo com ele, algumas ações podem valorizar mais a propriedade e outras podem garantir maior liquidez. “Às vezes, adequar o valor significa ganhar mais a longo prazo, pela redução do tempo em que o imóvel fica desocupado”, afirma Arruda.

A boa apresentação da parte física é essencial para aumentar o lucro. Em alguns casos, a elevação pode ser de até 20%. Para isso, contribuem uma pintura nova, acabamento nas esquadrias, além de reparos na parte elétrica e hidráulica. Para quem possui uma propriedade perto de uma universidade, colocar móveis para receber estudantes pode ser uma boa medida.

Também é importante fazer a vistoria no momento em que o imóvel é disponibilizado para locação na imobiliária. Essa ficha de avaliação deve ser o mais completa possível, já que contém o que o dono receberá de volta, ao final do contrato. O estado de conservação e as condições de uso de cada item devem ser anotados.

A manutenção regular também evita prejuízos. Recomenda-se a limpeza do aquecedor a cada seis meses, além da troca dos canos velhos, para eliminar o risco de infiltração, que são de responsabilidade do proprietário.

FONTE: MSN Dinheiro